PUBLICIDADE

Faringite: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Faringite?

Faringite é uma infecção respiratória caracterizada pela inflamação da faringe - a parte superior da garganta, que conecta o nariz e a boca à laringe e ao esôfago. Os principais sintomas da doença são dor, irritação, coceira e desconforto na região.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A faringite é um dos vários distúrbios que podem acometer a região da garganta, assim como a laringite e a amigdalite. Os sintomas são mais comuns no inverno, época em que o ar seco e aglomeração maior de pessoas em ambientes fechados facilitam a entrada de vírus e bactérias pelas vias aéreas.

Getty Images

Tipos

Faringite viral

A faringite viral é o tipo mais comum de faringite, sendo causada pela infecção de vírus na faringe. Para essa manifestação da doença, o tratamento pode ser feito em casa à base de medicamentos e cuidados simples.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Faringite bacteriana

Causada pela infecção de bactérias, a manifestação mais comum dessa forma da doença é a faringite estreptocócica é causada pela bactéria Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A. As faringites bacterianas exigem um tratamento mais específico, com antibióticos.

Causas

Qual é a causa da faringite?

A faringite viral costuma surgir em casos de infecções causadas por vírus, como o resfriado comum, a gripe e a mononucleose. A faringite também pode surgir em pessoas com doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), a exemplo da gonorreia. Outros fatores como alergias, clima seco, poluição, distensão nos músculos da garganta e até problemas mais graves, como tumores e infecção por HIV, também podem levar a um quadro de faringite.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fatores de risco

Qualquer um pode desenvolver faringite, mas alguns fatores externos e comportamentos de risco podem contribuir para o aparecimento do distúrbio. Veja:

Menoridade

Crianças e adolescentes são mais suscetíveis a desenvolver um quadro de faringite. A faringite estreptocócica, por exemplo, é responsável por 20% a 30% das faringites em crianças e por 5% a 15% dos casos em adultos.

Exposição à fumaça do cigarro

Ser fumante ou ser exposto à fumaça do cigarro também são fatores que contribuem para o surgimento dos sintomas. O fumo pode provocar ainda complicações mais graves na garganta, como o câncer.

Alergias

Ser alérgico a pó, mofo e pelos de animais de estimação pode contribuir também para desenvolver faringite.

Exposição a componentes químicos

Viver em grandes metrópoles, onde o índice de poluição é mais elevado, também é um fator considerado de risco. O ar poluído é uma mistura de partículas que leva à inflamação das vias aéreas, reduzindo a defesa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Infecções respiratórias crônicas

O muco do nariz causado por infecções respiratórias consideradas crônicas, como asma e enfisema pulmonar, pode irritar a garganta e provocar a doença.

Frequentar ambientes fechados

Morar, trabalhar ou estudar em ambientes fechados, por exemplo, em que há grandes aglomerações de pessoas, pode facilitar a entrada de vírus e bactérias causadores da faringite pelas vias aéreas.

Imunidade baixa

Ter resistência imunológica baixa torna uma pessoa suscetível a diversas doenças, de modo geral. Causas comuns da baixa imunidade são infecção por HIV, diabetes, estresse, fadiga e má alimentação.

Sintomas

Sintomas de Faringite

A dor de garganta é o principal sintoma da faringite, mas outros também podem entrar para a lista:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os sintomas da faringite são de fácil identificação, mas são igualmente fáceis de serem confundidos com sintomas de outras inflamações que acometem a garganta, como a laringite e a amigdalite.

Além disso, os sinais são semelhantes tanto na faringite viral quanto na bacteriana. Em ambos os casos, a membrana mucosa que reveste a faringe pode estar ligeira ou intensamente inflamada e coberta por machas brancas ou pus. A febre, a inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço e uma contagem elevada de glóbulos brancos no sangue são típicos tanto da faringite viral como da bacteriana, embora estes sintomas possam ser mais evidentes na forma bacteriana.

Foto: Reprodução/Shutterstock

Quando procurar um médico?

A Academia Norte-Americana de Otorrinolaringologia sugere que um médico seja procurado quando os seguintes sintomas começarem a surgir:

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Na hora de conversar com o médico, é muito importante tirar todas as dúvidas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que esperar do médico?

Médicos gostam de fazer perguntas. Na verdade, eles o fazem porque precisam do máximo de informações possíveis para poder fazer o diagnóstico. Por isso, é sempre bom estar preparado para responder às perguntas que o médico fará. Veja exemplos:

Lembre-se: os cuidados não devem ficar somente dentro do consultório médico. Em casa é importante fazer repouso e alimentar-se adequadamente, procurando ingerir alimentos mais leves e que não causem mais danos à garganta. Fazer uso de medicamentos que não precisam de prescrição médica também é uma alternativa para aliviar o desconforto.

Diagnóstico de Faringite

Dores de garganta, dificuldade para engolir e febre não são sintomas exclusivos da faringite, por isso o médico deverá realizar procedimentos específicos para fazer o diagnóstico. No primeiro deles, aplicado tanto em crianças quanto em adultos, o médico utiliza um instrumento para analisar a garganta e, eventualmente, os ouvidos e as vias aéreas também. Trata-se de um exame físico, em que o especialista também poderá querer avaliar os batimentos cardíacos do paciente.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Outro exame que o médico poderá fazer é também bem simples. Com o auxílio de um instrumento fino, semelhante a um cotonete, ele retirará amostras de secreção de dentro da garganta do paciente doente para enviá-las a um laboratório especializado em doenças causadas por bactérias do estreptococo, causadora da faringite bacteriana. Os resultados saem em apenas alguns minutos. Se o resultado for positivo, então o paciente é diagnosticado com faringite bacteriana. Se for negativo, a faringite é viral.

O diagnóstico pode ser feito, ainda, por outros dois procedimentos: hemograma e testes alergênicos. O primeiro produz uma contagem completa dos diferentes tipos de células presentes no sangue do paciente doente. Dependendo do resultado, é possível saber se a faringite foi causada por vírus ou por bactéria.

Se o médico suspeitar que a causa foi uma alergia, ele poderá lhe encaminhar para um alergologista, que solicitará exames específicos.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Faringite

Faringite causada por vírus geralmente não demanda muitos cuidados nem um tratamento específico. Além disso, a inflamação desaparece de cinco a sete dias, em média.

No entanto, para a faringite bacteriana, é necessário consultar um médico para saber também qual o melhor tratamento disponível para cada caso. Geralmente, ele é feito à base de antibióticos e analgésicos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Medicamentos para Faringite

Os medicamentos mais usados para o tratamento de faringite são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Independentemente da causa da faringite, cuidados simples que podem ser tomados em casa ajudam a aliviar os sintomas e a acelerar a recuperação. Veja o que você pode fazer para conviver bem com essa inflamação:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

Os germes que causam inflamações virais e bacterianas, a exemplo da faringite, são contagiosos e algumas medidas simples podem evitar o contágio:

Referências

Revisado por: Samanta Dall'Agnese, otorrinolaringologista - CRM: 137576

American Academy of Otolaryngology

Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia

Ministério da Saúde

www.best-cooler.reviews

www.optiontradingstrategies.net

www.proffitness.com.ua/category/finbes-i-aerobika/myachi-fitboly/